FOTOS DOS EVENTOS

OUTROS EVENTOS

Noticias

18/12/2018

Dezembro Laranja Na Luta Contra o Câncer de Pele

Curável, quando detectado precocemente, o câncer de pele é causado pelo crescimento anormal e descontrolado das células que compõem a pele. Segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), o câncer de pele é o câncer mais frequente no Brasil e corresponde a 30% de todos os tumores malignos registrados no país. Com a intenção de estimular a população na prevenção e no diagnóstico ao câncer da pele, o movimento “Dezembro Laranja” lembra a população da importância da prevenção e diagnóstico precoce do câncer mais comum no país.


Para estimular a conscientização sobre o tema, a médica oncologista, Dra. Liliane Cristina da Silva, do Hospital Regional do Câncer de Passos, traz informações sobre a doença e esclarece dúvidas mais comuns sobre prevenção e tratamento.

 

1- Como identificar os sinais de um possível câncer de pele?
O câncer da pele pode se assemelhar a pintas ou a outras lesões benignas. Por isso é importante estar sempre atento aos seguintes sintomas:

    • Uma lesão na pele de aparência elevada e brilhante, translúcida, avermelhada, castanha, rósea ou multicolorida, com crosta central e que sangra facilmente;
    • Uma pinta preta ou castanha que muda sua cor, textura, torna-se irregular nas bordas e cresce de tamanho;
    • Uma mancha ou ferida que não cicatriza, que continua a crescer apresentando coceira, crostas, erosões ou sangramento.

 

2- Quais os locais mais comuns em que pode ocorrer câncer de pele?
O câncer de pele pode ocorrer em qualquer parte do corpo, porem com maior frequência para as áreas mais expostas ao sol

 

3- Exposição solar influencia no desenvolvimento do câncer de pele?
O principal fator de risco para o desenvolvimento de câncer de pele é a exposição aos raios UV. Por isso, evitar a exposição excessiva ao sol e proteger a pele dos efeitos da radiação UV são as melhores estratégias para prevenir o melanoma e outros tipos de tumores cutâneos.
Como a incidência dos raios ultravioletas está cada vez mais agressiva em todo o planeta, as pessoas de todos os fototipos devem estar atentas e se protegerem quando expostas ao sol.

 

4- Histórico familiar também influencia?
Sim e os grupos de maior risco são os do fototipo I e II, ou seja: pessoas de pele clara, com sardas, cabelos claros ou ruivos e olhos claros. Além destes, os que possuem antecedentes familiares com histórico de câncer de pele, queimaduras solares, incapacidade para se bronzear e muitas pintas também devem ter atenção e cuidados redobrados.

 

5- ??Quais são os tipos de tratamento disponíveis?
Cirurgia, Radioterapia, e em alguns casos tratamento tópico (quimioterapia tópica)

 

6- Quais são os cuidados necessários para evitar o câncer de pele?
    • Usar chapéus, camisetas, óculos escuros e protetores solares.
    • Evitar a exposição solar e permanecer na sombra entre 10 e 16 horas (horário de verão).
    • Na praia ou na piscina, usar barracas feitas de algodão ou lona, que absorvem 50% da radiação ultravioleta. As barracas de nylon formam uma barreira pouco confiável: 95% dos raios UV ultrapassam o material.
    • Usar filtros solares diariamente, e não somente em horários de lazer ou de diversão. Utilizar um produto que proteja contra radiação UVA e UVB e tenha um fator de proteção solar (FPS) 30, no mínimo. Reaplicar o produto a cada duas horas ou menos, nas atividades de lazer ao ar livre. Ao utilizar o produto no dia a dia, aplicar uma boa quantidade pela manhã e reaplicar antes de sair para o almoço.
    • Observar regularmente a própria pele, à procura de pintas ou manchas suspeitas.
   • Manter bebês e crianças protegidos do sol. Filtros solares podem ser usados a partir dos seis meses.
    • Consultar um especialista em pele uma vez ao ano, no mínimo, para um exame completo.


7- O HRC de Passos realiza anualmente a Campanha de Prevenção ao Câncer de Pele, que sempre acontece em fevereiro. Quem desejar participar da próxima campanha, o que deve fazer e quais os critérios para participar?
As pessoas que apresentarem lesões de pele recentes, que não cicatrizam, ou que sangram ou ainda pessoas com lesões de pele e história familiar positiva para melanoma, devem estar entre as selecionadas para a campanha.